Insuficiência cardíaca e treino

Corda em forma de coração. O tema do artigo é Insuficiência cardíaca.

As pessoas que já desenvolveram insuficiência cardíaca tem limitações que são consequência do atrofiamento da musculatura esquelética periférica o que leva a dificuldades de perfusão sanguínea que conduz a uma diminuição da função cardíaca.

O Exercício físico tem efeitos surpreendentes em doentes com insuficiência cardíaca.

Quanto melhor for a condição física, melhor é a tolerância ao esforço físico. Quem faz exercício físico tem mais hipóteses de viver mais anos e com mais saúde, visto que exercício físico actua de facto, como que um medicamento.

Alguns dos principais benefícios do exercício físico na insuficiência cardíaca:

– Diminuição da pressão arterial;
– Diminuição da frequência cardíaca de repouso;
– Aumento do colesterol bom (HDL);
– Redução dos triglicéridos;
– Redução da massa gorda;
– Melhoria do fluxo sanguíneo na musculatura periférica;
– Redução da adesividade das plaquetas.
O exercício físico, neste tipo de casos, melhora profundamente a qualidade de vida, tem um efeito muito positivo nos casos em que está associada a depressão e reduz significativamente a mortalidade.

Como deve ser um treino para uma pessoa com insuficiência cardíaca?

Classicamente, um treino tem sempre o aquecimento, a parte fundamental, onde são realizados exercícios cardiovasculares e exercícios de força e o retorno à calma, onde aparecem os alongamentos e o relaxamento.

Aquecimento (5 a 10 minutos)

No aquecimento devemos ter como objectivo a elevação dos indicadores de esforço, aumentando a frequência cardíaca e naturalmente permitindo uma adaptação dos músculos inspiratórios e expiratórios. Podemos incluir uma curta caminhada, um pouco de Step ou clico ergómetro.

Parte Fundamental (20 a 30 minutos)

Exercícios de resistência muscular situando-se entre 40% a 60% da intensidade máxima e/ou exercícios aeróbicos situando-se entre 40% a 60% da frequência cardíaca teórica máxima, portanto 220 BPM – Idade.

Retorno à calma (10 minutos)

Aqui aparecem os alongamentos fundamentalmente ao nível dos grupos musculares trabalhados durante a sessão de treino e um relaxamento progressivo de modo a que a frequência cardíaca possa voltar ao normal progressivamente.

Naturalmente que a duração dos exercícios e a escolha dos mesmos e a sua intensidade depende sempre da situação específica de cada aluno.

Médico a avaliar Electrocardiograma para perceber se existe Insuficiência cardíaca.

Quais os cuidados que devem ser tidos em conta quando existe insuficiência cardíaca?

  • Realizar o teste de esforço em contexto clínico;
  • Deve existir uma prescrição médica, tendo em conta o quadro de insuficiência cardíaca do paciente;
  • Os intervalos de intensidade para portadores de Insuficiência cardíaca e treino quer para os exercícios de força, quer para os exercícios cardiorrespiratórios, devem ser actualizados sempre em função da supervisão médica;
  • Os exercícios de peitoral, como o supino normal, inclinado ou declinado, não devem ser intensos e demorados e em alguns casos nem devem constar do plano de treino;
  • Evitar a manobra de valsava (apneia) visto que o bloqueio da respiração leva a uma diminuição do fluxo de sangue ao nível do coração e consequentemente um aumento da pressão arterial;
  • Monitorizar a frequência cardíaca durante o treino;
  • Monitorizar a pressão arterial antes, durante e no fim do treino;
  • Ficar vigilante em relação a sintomas cardíacos tais como arritmias, e alterações de pressão arterial;
  • Controlar o ambiente onde se realizam os exercícios, evitar ambientes quentes.

Hoje é sabido que o exercício físico de uma forma geral é algo que deve fazer parte do quotidiano de quem tem insuficiência cardíaca. O aumento do calibre da artéria em consequência da prática de exercício físico é das adaptações fisiológicas ao esforço físico mais espantosas que encontramos.

Ao aumentarmos o calibre das artérias o coração irá fazer muito menos esforço e estará a funcionar em pleno, enviando o sangue necessário que também será melhor entregue nos tecidos, visto que a perfusão sanguínea de quem faz exercício é muito superior do que quem não faz.

A frequência cardíaca de repouso e a rapidez com que se recupera do esforço são dois dados importantíssimos para podermos avaliar a condição física da pessoa que temos pela frente.

Na Fiquemforma estamos sempre atentos ao perfil cardíaco dos nossos alunos, desde o menos preparado até ao atleta. Quando maior for o batimento cardíaco de repouso menor é a capacidade física e menor é a força contráctil do miocárdio. Na verdade, o coração de uma pessoa pouco preparada bate mais vezes porque a bomba cardíaca não consegue enviar tanto sangue como a bomba cardíaca de uma pessoa com boa aptidão cardiovascular.

Fiquemforma - Personal Trainer, domicílio, Outdoor, video-chamada. Imagem onde se pode ver uma mulher a treinar num parque com a ajuda de um treinador
Fale connosco

Teremos todo o gosto de esclarecer qualquer dúvida que possa ter

Contacte-nos
Fiquemforma - Personal Trainer, domicílio, Outdoor, video-chamada. Imagem onde se pode ver uma mulher a treinar abdominais num parque com a ajuda de um treinador
Dê o primeiro passo

Marque já a sua primeira aula completamente gratuita

Artigos Semelhantes