Facebook Blog - Fiquemforma

Colesterol e Exercício Físico

Exercício físico, colesterol, hdl, treino

Existem estudos que demonstram o efeito dos comportamentos alimentares de uma forma bastante esclarecedora. Fizeram a experiência com macacos, em que as variáveis do estudo foram o exercício físico e a manteiga de amendoim. O excesso de manteiga de amendoim e a incatividade física tiveram consequências negativas, o que levou a um aumento do colesterol nos indivíduos.
Depois de retirarem a dieta patológica, altamente criadora deste efeito de adequação lipídica (manteiga de amendoim), conseguiram através do exercício fazer regredir este processo, visto que eles estavam com uma grande adequação lipídica, consequentemente com estreitamento das artérias, porque havia gordura no seu interior e com a introdução de actividade física conseguiram novamente aumentar o calibre das artérias dos macacos. Ao ser retirado o agente patogénico, neste caso a manteiga de amendoim e ao ser introduzida uma dieta normal; adequada por um lado e exercício físico por outro, verificou-se que diminuía a doença. Uma das coisas que acontece com a população Portuguesa é a enorme ingestão de sal, nomeadamente cloreto de sódio, para além de ter uma influência directa na pressão arterial, leva à hipertensão. Esta situação tem influência directa na formação do ateroma, que obstruí as artérias e leva a acidentes cardiovasculares e leva também ao endurecimento das artérias e à arterioesclerose. A redução do fluxo sanguíneo tem também implicações sérias para a saúde. Os ateromas que obstruem as artérias tem várias camadas, primeiro uma camada de lípidos, depois células musculares lisas que passam da camada média para a camada interna e finalmente depósito de sais na fase final. Quando o estreitamento já é muito significativo e o efeito da pressão arterial aumentado, a placa endurecida, pequenas porções dessa placa podem libertar-se para a corrente sanguínea e aí sim vão andando pela corrente sanguínea até que a sua dimensão corresponda à dimensão de um vaso sanguíneo menor e aí temos a trombose. A trombose pode acontecer em qualquer parte do corpo, normalmente é cerebral, mas pode acontecer nas artérias de menor calibre nos membros inferiores. Este processo pode começar em idades muito precoces e vai sendo desenvolvido ao longo da idade.
O que se demonstrou foi que a arteriosclerose estava intimamente relacionada com estes três problemas:
1. Acidentes cardiovasculares
2. Acidentes vasculares cerebrais
3. Acidentes vasculares espontâneos
Estes acidentes são responsáveis por metade das mortes do ser humano, principalmente os dois primeiros.

4 Factores de risco primário (para o desenvolvimento da arterioesclerose)
1. Colesterol elevado (hipercolestrolémia)
2. Tabagismo (tem relação forte com os acidentes vasculares)
3. Hipertensão (ingestão excessiva de sal – 1ª das causas – pressão arterial elevada)
4. Sedentarismo (inactividade física)

Normas colesterol total
É desejável quando é inferior a 200mg por decilitro de sangue. Passamos a estar numa zona fronteira quando estamos com um valor situado entre 200 e 240mg/dcl, e considera-se elevado quando este valor é superior a 240mg/dcl.
Mas já há muito se sabe que o valor de colesterol total é uma informação pobre relativamente à saúde relacionada com a colesterolemia, aquilo que nós devemos ter em conta sempre que realizamos análises ao colesterol é não só o seu valor total, mas sim o valor das suas fracções que o compõem.
O verdadeiro indicador de saúde ao nível da colesterolemia é a razão: colesterol total / HDL (210/60mg/l hdl) está tudo bem, porque dá três no total e sendo menor que 3,5 está tudo bem com o colesterol.
Estudos recentes indicam que existe um novo indicador que está mais correlacionado com a propensão dos indivíduos para terem problemas relacionados com a inflamação do interior das artérias, quando as artérias se encontram irritadas eventualmente com o depósito lipídico. Portanto acontece o mesmo com a formação de ateroma que acontece com outra qualquer infecção ou ferida, ou seja, a libertação na corrente sanguínea de uma proteína que é a proteína C reactiva, que é considerada actualmente o indicador mais válido para o estado de saúde das artérias.
O colesterol elevado tem uma relação importante com o desenvolvimento do ateroma. Ao nível dos dados experimentais, o colesterol presente no ateroma, análises biológicas e histológicas no ateroma demonstraram a presença de colesterol e portanto uma dieta rica em colesterol.
Países com dietas ricas em gordura, verifica-se uma obesidade brutal e em países com dietas pobres em gordura verifica-se o contrário, no entanto há casos paradoxais e bastante estranhos como por exemplo o caso dos esquimós. Os esquimós não são indivíduos gordos, têm uma estrutura facial redonda, mas são extremamente magros. A dieta dos esquimós é extremamente rica em gordura, mas o que significa que as gorduras são muito misturadas, têm as muito saturadas que é quando comem foca, e temos as gorduras não saturadas quando eles comem peixe, esta mistura de gorduras não os deixa ter problemas.
O que se verifica é que quando se tomam medicamentos para baixar o colesterol total baixam também as HDL, se fizerem actividade física iam aumentar as HDL, que é um dos efeitos que a actividade física tem sobre as fracções de colesterol. Pequenas quantidades de vinho tinto também podem ter esse efeito.
Verificamos que quando controlamos o colesterol conseguimos uma regressão do ateroma, o que é uma excelente notícia.